Noticias - AD Jaraguá do Sul envia missionários para Malawi, África, para ajudar aldeia | AD Jaraguá do Sul

AD Jaraguá do Sul

Home » Espiritual - Notícias » AD Jaraguá do Sul envia missionários para Malawi, África, para ajudar aldeia
l
l
l

  AD Jaraguá do Sul envia missionários para Malawi, África, para ajudar aldeia

AD Jaraguá do Sul envia missionários para Malawi, África, para ajudar aldeia

Construção de uma escola é um dos principais objetivos do projeto

 

A família Goetten, embarca hoje (25/11) ás 15h30min em uma missão de fé e de solidariedade para o Malawi, país africano. A viagem missionária faz parte de um projeto da Igreja Assembleia de Deus em Jaraguá do Sul, mantido com ajuda dos fiéis. A igreja mantém 32 famílias, com auxílio integral ou parcial, em obras de caridade espalhadas pelo mundo. Agora, é a vez dos Goetten.


O Projeto Malawi, como foi batizado, tem o objetivo de construir uma escola para a aldeia Mazi, localizada a 15 quilômetros da capital Lilongwe. No momento, mais de dez poços artesianos foram construídos e dez famílias são mantidas na região para levar esperança à população.

 

– No ano passado, uma comissão foi conhecer o Malawi e ver as necessidades daquele país. Ele está entre os mais pobres do mundo e não tem estrutura básica para quase toda população. Apenas 20% da população têm acesso a alimentos dos supermercados, que são os governantes e os funcionários públicos – conta Oziel Goetten.

 

Em maio deste ano, pb. Oziel, sua esposa Waldirene e mais uma comissão foram visitar a aldeia na qual irão trabalhar. Para surpresa da família, a primeira mulher branca a pisar na comunidade foi Waldirene.

 

– Eu recebi presentes das mulheres da aldeia. Explicaram que iam trazer tudo que tinham de mais precioso e me deram alimentos – relembra, emocionada.

 

A missão do casal, que também irá levar a filha de 18 anos, é construir uma escola. O projeto deve levar de dois a cinco anos para ser finalizado. A intenção da Assembleia de Deus em jaraguá do Sul é dar a base para a comunidade e seguir para outras regiões, explica o diretor de projetos, Ev. David de Borba.

 

– Como é um país com poucos recursos, o material de construção e o custo de vida são bem caros. A família irá viver na capital e serão repassados de US$ 1.500 a US$ 2 mil por mês, pois o custo de vida com aluguel e comida é mais alto – afirma Ev. David de Borba.

 

As primeiras impressões sobre Mazi

“Meu coração está na aldeia”, revela Waldirene. Com o sonho de servir ao próximo, buscou na enfermagem realizar esse desejo. Mesmo assim, não foi o suficiente.

 

– Sempre disse para minha mãe: “Eu vou para a África ajudar as pessoas”. Percebi que, para eles, o que é essencial, a gente não dá valor – destaca.

 

A enfermeira conta que tem objetivo de plantar a semente da esperança para que os africanos possam construir um futuro melhor. Ela conta que o povo de Mazi é feliz, mas falta ter grandes sonhos, e é isso que ela quer incentivar.

 

Para o pb. Oziel, ele tem uma missão imposta por Deus, por isso não pensou duas vezes para embarcar nessa viagem. Segundo o jaraguaense, abrir mão do conforto material, de amigos e da família vai valer a pena pelo trabalho que vão desenvolver.

 

No domingo passado (22/11) foi feito a despedida da família Goetten no templo sede da AD Jaraguá do Sul e receberam a oração de todos da igreja.

 

Orem e Contribuam com esse projeto que nasceu no coração de Deus.


Dc. Edilson C. Pereira com informações de A NOTÍCIA / AD Jaraguá do Sul-SC
webmaster@adjaraguadosul.com.br




Voltar